SEDENTA

Lábios húmidos,
sedentos,
Quais careço de tomar.
E deslizar no teu desejo,
Em fantasia ,
Em agonia no cosmos estrelar.
Viagem com ida para não mais voltar.
Em ti me impregnar.
No risco,
No mistério,
No perigo que é respirar junto o mesmo ar.

4 comentários:



‹◦○§Sinĕ Φuibμs Иoη●º•º disse...

Onde a poetisa Déia está aprendendo isso?! Carece uma explicação... [risos] Parabéns!

Déia Poeta disse...

Agente amadurece, vive sentimentos, e é aqui que eles se refletem... beijim....
Obrigada pelo comentario....

George Carneiro disse...

Déia... seus poemas continuam maravilhosos de se ler. Continua assim, que Deus a abençoe.

Déia Poeta disse...

valeu, Geo.