SEDENTA

Lábios húmidos,
sedentos,
Quais careço de tomar.
E deslizar no teu desejo,
Em fantasia ,
Em agonia no cosmos estrelar.
Viagem com ida para não mais voltar.
Em ti me impregnar.
No risco,
No mistério,
No perigo que é respirar junto o mesmo ar.

SUBTERRÂNEO

Vou andando com o pé no magma,
Vou andando de olhos fechados
E sentidos [extintos abertos]
Porta com uma volta só de chave,
Tentando se proteger,
Porém, com o desejo de liberdade,
com o desejo de crer.
Mão na fechadura
Na expectativa do correr...
Para águas tranquilas.
para o bucólico que há em você.
Mas, estou na terra dura,
Sol quente qual escalda o meu ser.
Volto a realidade ...
Mão na fechadura na espectava de correr.

ATMOSFERA


Atmosfera trasparente
Nós sabemos...
Tudo aqui é cândido.
Não percamos tempo com conversas
que não nos leve a algum lugar.
Vamos tão logo ao enfim.
O que quero de você?
O que você quer de mim?
Para quê prolongar o tempo?
Com joguinhos,
Analogias,
Alegorias...
Vamos viver o agora rapidamente.
Porque com a dispersão o tempo passa
E assim vem o final.
E quando caímos em nós estamos mortos.