ESCONDE-ESCONDE


Minha poesia me domina.
Me engole.
Me arrebata.
Tem vida própria.
Revela-se.
Esconde-se.
Perde-se...
No meio da casa.
Nos papéis.
Brinca de esconde-esconde...
Nas caixas,
Depois vem a luz e me surpreende.
E me pergunto
- se foi eu que escrevi,
Tais palavras profundas maiores que eu.

0 comentários: