CÃIMBRA

A solidão me deixa anestesiada.
Pessoa que vive dia após dia.
Trabalha, come, aprende, dorme.
Acorda, obtém, ensina.
Mas, dentro consome-se em cãibra.
E o tempo passa.
As horas vêm questionar.
Interpele... Como será?
O tempo, meu momento.
Mas, apenas tudo é silêncio.
E lugar vazio.

0 comentários: