VISÃO


Eu te vejo ao longe e te dou adeus.
Mais não quero ir.
Não quero virar as costas.
Não quero te esquecer.
Quero acordar contigo a cada amanhecer.
E ver teu lindo sorriso através do brilho do sol,
Através do canto dos pássaros.
Ver o seu poder através de uma leve neblina
Que nubla sem querer o dia.
Não quero ir.
Não quero sumir.
Não quero virar as costas,
Partir.
Quero me aproximar, te dar um beijo
E contigo ser feliz.

SUCESSÃO




A cada dia tenho que tomar uma dose dessa droga que me
Incendeia por dentro.
Não preciso de seringa, é só aspirar e o ar entrar em meus pulmões
que ali está seu efeito.
Droga chamado sentimento.
Sentimento que nasceu eu um vão momento.
Que tira minha concentração.
Minha sobriedade.
Que me enche de uma louca coragem.
Que se transforma em precipitação.
Em ansiedade.
Em obstinação.
Em sufocação.
Em decepção.
Em solidão.
Porque com toda essa sequência é assim que
A história acaba.

SEDUÇÃO




Só foi sedução,
Olhares.
Profundos olhares que liam a minha alma
e traduziam o meu querer.
Por um momento foi paixão.
Atração,
Fatalidade,
Antropofagia.
Comer-te vivo.
Comer você.

CAÇADORA DE SOL




Eu caçadora de ilusões corro
Para cima e para baixo atrás de sol.
Atrás de algo que me faça normal.
Que faça sentido.
Que brilhe os meus olhos.
Que me fale ao ouvido.
Eu em mim mesma concreto, abstrato, incerto.
Pé no chão,
E poucas idealizações é o mais correto.

OLHAR



O seu olhar me atrai.
Me desvenda.
Penetra-me a alma.
Tira as vendas dos olhos.
Me retraio.
Me excito.
Me distraio.
Em mim grito.
Suplanto a minha razão e o infinito.

RECOMPENSA




Sou sutil.
A minha alma flui como um rio.
Rio e sorrio das ironias.
Das surpresas que a vida oferece.
Como posso em um dia estar triste.
E em um outro estar alegre.
Tudo há uma recompensa.
A recompensa do choro é o sorriso.
Da noite o dia.
Do silencio a melodia.
Do escuro a claridade.
E do meu amor à saudade.

O CAVALHEIRO E O DRAGÃO



Por um momento me senti como nas histórias medievais.
Por um momento me senti como nas histórias do dragão e
Do cavalheiro.
Toda vez que você a beijava.
Me golpeava.
Toda vez que você a beijava.
Me dilacerava.
Sentia-me como se tivesse uma espada entrando no meu
peito.
Me dilacerando.
Essa lâmina vinha e cortava todo meu alento.
Todo meu sustento.
Todo meu alimento.
E como planta sem água comecei a secar por dentro.

SOPRO




Chorar?
Você é adulta!
Ou você pensa que ele ouvirá o seu choro?
Que um sopro levá-lo-á até ele?
Que sentirá a tua falta
E entenderá o quanto o ama?
Apenas delírios, devaneios, loucura!
Em uma noite ele ouvirá outra voz que não que não é a sua.

DESPEDIDA




Existem coisas que agente não consegue entender nessa vida.
O amor que deveria dar certo e não deu.
A bala perdida.
A promessa que não aconteceu.
O vento que passou.
A criança que adulteceu.
O ente querido que morreu.
O martírio que corroeu.
Mas tem a hora de parar.
Apenas, palavras de necessidades.
Pois, se as coisas só fossem cientificas.
Mas, existem os sentimentos que nos humaniza.
Escravizam-nos, nos dominam.
Mas há questões que não queremos sentir, porém não temos escolha.

BANCO VELHO





Me ajude a catar os pedaços.
Me ajude a desamarrar esse laço.
Tire esse aperto do meu coração.
Seja meu herói.
Meu libertador, pois me sinto encarcerada em uma prisão.
Quero saber como é um dia ensolarado.
Quero ter a sensação de caminhar lado a lado.
Quero que o sol entre por esse quadrante.
Enquanto isso, estou aqui sentada em um banco velho
em um canto qualquer.

SÁBADO A NOITE



Ninguém quer saber da minha dor.
Ninguém quer saber o que sinto.
Até parece que minto.
Até parece que sou leprosa-vadia.
Que tenho uma doença que contagia.
Ninguém quer saber o que sinto.
Ninguém quer ser meu herói.
Ninguém me salva dessa dor que corrói.
Que me deixa em prantos.
Que joga pelos cantos.
Que me mutila.
E me deixa aos pedaços.
Ninguém quer saber.
Não tem ninguém para me ninar nos braços.
Me sinto um bebê.
Me sinto um débil a noite em frente a TV.

SONHO DE CINDERELA




As lembranças são fantasmas que me visitam.
Me fazer recordar de um passado que não vivi,
nem conquistei.
De um passado que em vão me esforcei.
Me enganei.
Por um vão momento achei...
E tornei minhas fantasias reais.
Mas são apenas ilusões.
Mentiras.
Novelas.
Sonho de Cinderela.
Sonho que virou drama.
Tempestade.
Um curta metragem que insiste em tempos
E tempos me faze-lo assistir.
Ele insiste e insiste em ressurgir.
Mas não sou tola.
Sou real.
Sou realista.
E nesta estrada da vida.
Busco novos horizontes e tento resistir.
Existem dias que estou fragilizada,
mas não deixo a peteca cair.

TRILHA SONORA



Eu pego meus pedaços por aí.
Alguém me viu?
Aonde foi que eu caí?
Caí ali na esquina.
Caí ali no olhar da menina
Caí, ao me apaixonar por você.
Caí no teu sorriso.
Caí no teu prestígio.
Caí no meu desejo.
Caí em desejar te dar um beijo.
Ali eu caí.
Quando te amei.
Quando simplesmente,
Tu viraste as costas.
Não entendi.
Não entendi porque não me amou!
Não entendi porque não voltou!
Não entendi porque não abriu a porta e entrou.
Não entendi porque não me beijou!
Não entendi porque não me abraçou!
Não entendi, porque me desejou.
Não entendi.
E agora percebo que estou longe.
E terei que me remodelar,
Terei que me recosturar.
Catar os meus pedaços no caminho.
Sabendo que ainda que esteja sozinha.
Sempre haverá uma melodia.
Sempre haverá uma trilha sonora que guiará minha vida,
E meu destino.

FIO DE ELETRICIDADE



Eu ando na rua vazia.
Não tem ninguém.
Procuro você...
Procuro você como neblina que espera pelo dia.
Pela luz do amanhecer.
Lá fora escuto apenas os cachorros latir.
As motos passeando para lá e para cá.
E algum bicho que não sei o nome zunindo.
E eu aqui, nessa rua vazia procurando você.
Você que espero tocar-me...
Tocar com seus lábios no meu coração.
No meu corpo.
E ardentemente me tirar da escuridão.
E me mostrar um fio de luz.
Um fio de alegria.
Um fio de escape.
Um fio de eletricidade.
Que equilibre meu coração.
Pois hoje, apenas, sou sequidão.
Hoje, apenas sou escuridão.
Sou amargura.
Sou fechada.
Hoje sou cara emburrada.
Mas quero te encontrar.
Para você me tocar lá no fundo.
Me tocar por dentro.
E me levar às nuvens.
E compartilhar com você um sorriso de
cumplicidade,
Um sorriso de desejo,
Um sorriso de amizade,
Um sorriso de amor.

PERSONAGEM




Vou pintar minha cara.
Vou por uma máscara.
Vou interpretar um personagem.
Vou esconder-me debaixo de uma capa de coragem.
Vou sorrir.
Vou vestir uma blindagem.
Para ao te encontrar fingir que está tudo bem.
Vá em frente!
Vá além!
E ao virar as costas me desmancho.
E me transformo uma simples flor do campo.

MOVIMENTO INVOLUNTÁRIO



Só consigo escrever o que sinto.
Virou costume.
Virou necessidade fisiológica.
Aqui expresso minhas idéias,
Alegrias,
Emoções,
Carências,
Ardências,
Fantasias.
O que enxergo.
O que não enxergo.
O aparente.
O dito .
E o não dito.
Portanto, de tanto escrever me sinto dormente.
Este ato transformou-se em movimento involuntário.

SORRISO




Ontem chorei por você.
Chorei, chorei até adormecer.
A lua saiu.
A madrugada bailou.
O sol apareceu.
E eu insatisfeita, meu amor.
A água caiu.
O céu se derramou.
A chuva se foi e a lama secou.
E eu estou aqui.
Onde está o meu amor?
Mas, ainda que doendo não posso parar.
Ainda que me arrastando tenho que continuar.
Quem sabe assim quando a sorte chegar.
E eu esteja inteira para nos olhos dela olhar.
E em um largo sorriso poder te encontrar.

DIVINO




Não sei o que fazer.
Está tudo tão confuso.
Sem você.
Tudo parece tão obscuro.
Meus anseios que nunca se saciam.
Atiro para todos os lados.
Corro para cima.
Para baixo.
Percebo que corro em círculos.
Como cão que brinca com o rabo.
Sem você...
Esqueci quem é você.
O seu sorriso.
Na verdade fui displicente.
Te perdi.
E não sei mais onde te encontrar.

TEMPESTADE



A tempestade expressa o burburim que está em mim.
A tempestade expressa a minha ansiedade.
A tempestade com seu cinza nublo,
Expressa a minha face.
A tempestade expressa o mundo e suas violências.
O homem não originou do macaco,
Mas da tempestade e dos vendavais.
Pois, os macacos não se matam mutuamente.
Mas, a tempestade e o vendaval esses são imparciais.
Inconseqüentes,
Desumanos.
E egoístas.
Não medem esforços para destruir.
Vai vendaval para bem longe de mim!

HOJE




Hoje sou deserto.
Lugar inabitado.
Hoje sou deserto.
E tu encontrarás em mim pequenos
Oásis, plantações de sentimento.
Que se guardam em habitações cobertas de espinhos.
Hoje sou deserto.
Durante o dia sou fornalha.
Imponente!
E durante a noite sou frio congelante!
Só hoje sou deserto.

LÁGRIMA




Meu sol escureceu.
Meu verão então choveu.
Meu céu azul acinzentou.
O meu desejo então acabou.
O meu sorriso então chorou.
O meu castelo desmoronou.
O meu olhar embaçou.
Então uma lágrima caiu e tudo acabou.

LIBERDADE



Quero sair daqui.
Quero viver em meu jardim.
Quero sair daqui .
Pensar, colher flores e ser feliz.
Quero sair daqui.
E plantar minhas sementes.
Beber em um rio de água corrente.
Quero sair daqui.
Deste corpo que me aprisiona.
Que me limita.
Que me escraviza.
Que me submete.
Quero sair daqui e bater asas.
Voar e ser livre.

VÍCIO




Solidão é droga.
Solidão é curtição.
Solidão é fissura.
Solidão é paranóia.
Solidão!
Convive-se com ela.
But wait a minute!
Algo não está certo...

ÁGUAS



O mar levou meu o amor.
O mar lavou o rancor.
O mar levou a expectativa.
O mar lavou a espera.
O mar limpou todo destroço.
Hoje vislumbro outro continente.
E tudo que sou é apenas bonança.

MEU ADEUS



Foi realmente amor.
Foi amor não correspondido.
Foi amor que feriu.
Ferida mal cicatrizada.
Foi amor .
Foi decepção.
Foi bobeira.
Foi expectativa.
E, se fui eu...

HIPÓTESE




Eu poderia estar com você.
Eu poderia te amar.
Eu poderia me doar por inteiro.
Eu poderia ter mais de você.
Mas, só poderia.
Hipótese, dedução.
Agora eu em mim.
E sem você.
Só solidão.

CÃIMBRA

A solidão me deixa anestesiada.
Pessoa que vive dia após dia.
Trabalha, come, aprende, dorme.
Acorda, obtém, ensina.
Mas, dentro consome-se em cãibra.
E o tempo passa.
As horas vêm questionar.
Interpele... Como será?
O tempo, meu momento.
Mas, apenas tudo é silêncio.
E lugar vazio.

DEVAGAR




Sem pressa eu vou.
Sem pressa construo.
Memórias.
Futuro.
Aprendizado.
Porque a vida é ambígua.
Dar-nos possibilidades contraditórias.
Ao mesmo tempo em que é dinâmica.
Em alguns momentos ensina-nos que precisamos ter paciência.
Andar de vagar.
Pois ela é assim...
Cheia de processos

Ela vai no tic-tac do relógio.
O velho exemplo da plantinha que precisa ser regada a partir do momento que é semente.
E é necessário esperar o tempo da germinação e do seu crescimento.
E ainda a sua manutenção para a sobre vivência dela.
Nós humanos é que corremos demais.
E esquecemos de valorizar o que é mais importante na nossa vida.
Nossa família,
Nossos amigos,
A sinceridade,
A franqueza,
A comida feita com carinho,
à rebeldia de um filho que assim nos pede para amá-lo mais
e ter paciência com ele.
E apenas um olhar de carinho para a nossa sociedade tão violenta.
Não podemos correr tanto,
Se não assinaremos a nossa sentença de morte.

BRASIL PROFETA




Meu Brasil, tão grande.
Meu Brasil país continente.
Tão ambíguo.
Tão diverso.
E te vejo a cara do mundo.
Várias línguas te constituem.
Vários dialetos.
Em sua origem mistura-te.
Brasil profeta.
Profetizaste o futuro.
Profetizaste a globalização.
Profetizaste o mundo.
Primeiro tu eras vazio.
Depois descoberto pelos asiáticos.
E encontrado pelos portugueses.
Quem te resistiria gigante?
Tens poder de atrair imigrantes.
Amparar os que foram escravos.
De esconder em teu seio refugiados.
És mãe gentil, pátria amada Brasil.
Porém, a maior riqueza que tens não são suas águas.
Nem seu ouro negro.
Nem sua beleza contrastante.
E sim seu povo.
Pois, com todas as misturas constituis um povo único.
Quero viver para ver-te maior.
Que tu sejas mais justos para todos.

GAME OVER




Se esgotou o tempo.
Tudo foi por esgoto abaixo.
Game over for you.
Good bye my lover.
Outra fase começou.
Outro degrau para subir.
Outra estrada para seguir.
O meu pé pesa no acelerador...
Da vida.
Das expectativas.
Dos sonhos.
Não olharei para trás.
Quem quiser que me acompanhe.
Pois corro demais.
Tenho em meu ser uma prova de triátlon.
E o passado?
O considero, porém, deixo passar.
Para que venha o presente e o futuro.
Quando soprar o vento inspirador estrear
Uma nova história.

INDIFERENÇA



Algo mudou.
Aquela musica não mais tocou.
O coração não acelerou.
A esperança desesperançou.
O encanto desencantou.
Algo mudou.
A flor não desabrochou.
O pássaro não cantou.
Os olhos não brilharam.
A auto comiseração não impregnou.
Algo mudou.
Alguém amadureceu.
O sentimento não mais doeu.
E a saudade foi apenas o que restou.
Pois, aconteceu.
Não posso dizer que não era amor.

QUATRO PAREDES



Olho para você e enxergo apenas uma imagem fora de foco.
Tão distante.
Um dia fomos tão íntimos.
E hoje mal te conheço.
Sabíamos o que passava no coração um do outro.
Como vidência,
Como previsão.
E hoje... Só parede,
Só quatro paredes,
Só solidão,
Só distância.
Mas estamos tão perto e evidentes.
Uma cama nos une em matéria.
Mas, você de costas se redoma enclausurada em seu mundo.

PERIFERIA



As luzes sorriem para mim.
Quando as vejo fico a refletir.
Elas cintilam na escuridão da noite.
como se fossem furos no céu.
Do meu primeiro andar as vejo.
Mas, aquelas luzes apenas indicam casas.
Das favelas.
Casas as avessas sem seus rebocos.
O que se passa naquelas casas?
Naquelas famílias.
Naqueles becos.
Naquelas bocas de fumo.
Nos aviõezinhos que as crianças fazem?.
Quem ali trabalha e passa fome?
Quem ali tenta quebrar com as barreiras sociais e ter dignidade
Em sua sobrevivência?
Quem é a criança leitor que você inferiu em sua interpretação?
E que sentido estes últimos questionamentos nesta linha fazem?
Apenas são luzes de postes e das fachadas dos barracos.

EROSÃO



.Ninguém morre de amor.
Morrem de tristeza.
Morrem de solidão.
Morrem de fome.
Mas, o amor traz a alegria.
O palpitar do coração.
O sorrir sozinho.
Mas, quem é solitário está sujeito a erosão do tempo

RITMO


Em momento de espera reflito.
Em momento de desejo,
Te quero.
Em momento de solidão me desespero.
Mas, o tempo passa.
As horas voam.
E tudo toma o seu ritmo normal.

DEDICATÓRIA AO CABELO AFRO


Querido cabelo, peço desculpas por ter te alisado.
Será que você pode me perdoar?
Em nome dos meus antepassados.
É porque cabelo você sabe que sou negra, da Bahia!
Mas, aqui como no Brasil, existe um racismo maquiado.
Então, quando fui trabalhar de recepcionista,
percebi logo qual era o padrão daquela empresa
que é mesmo padrão da nossa sociedade, branca.
E você sabe cabelo,
que a maioria dos brancos tem uma característica
que chamamos de cabelo "liso".
Então, como meu cabelo não é "liso"
percebi que para eu permanecer naquela empresa teria que ter um cabelo "bom".
Porque a sociedade diz que você é "ruim" ao natural.
Mas, agora que fui demitida sinto um grande pesar
pelo que te transformei um amontoado de cabelo quebrado por causa da química.
Não adiantou todas aquelas hidratações caras.
Como não estou mais lá e logo serei professora,
acho que você não terá que passar pelo sofrimento de ser queimado,
ardido e puxado.
Do contrário,
quero que você se transforme em várias tranças lindas.
Porque branco é branco e eles tem a sua beleza
como o negro também tem a sua.
Bom, o que quero mesmo é liberdade de todo ser humano
fazer o que quiser de sua vida
e estética sem ser retalhado ou manipulado pela sociedade.
Reconheço que às vezes nessa sociedade temos que dançar conforme a música ,
mas se tiver oportunidade de ser uma exceção a regra, seja!

EU NEGRA




Minha trança nagô.
Meus olhos finos.
Meu nariz largo.
Meus lábios grossos e carnudos.
Minha estatura pequena.
Frágil-forte com a qual quero tocar o universo.

ESCONDE-ESCONDE


Minha poesia me domina.
Me engole.
Me arrebata.
Tem vida própria.
Revela-se.
Esconde-se.
Perde-se...
No meio da casa.
Nos papéis.
Brinca de esconde-esconde...
Nas caixas,
Depois vem a luz e me surpreende.
E me pergunto
- se foi eu que escrevi,
Tais palavras profundas maiores que eu.

APENAS



A paixão nos domina.
Apaixonar-se é uma sina.
A paixão nos hipnotiza.
Nos deixa em estado de êxtase.
E quando nos damos conta.
Os nossos reflexos não nos obedecem mais.
É como imã que nos atraí levado-nos a pessoa desejada.
Quando nos damos conta as nossas pernas nos leva ao caminho do objeto da paixão.
As nossas mãos se rederam em acariciar.
Como se elas fossem predestinadas para tal missão.
Os lábios tremem ansiosos por serem molhados.
Tocados.
E os olhos em sorrisos brilham.
Ah! Isso é a paixão...
Tecnicamente são apenas hormônios que nos atraem ao parceiro,
Ou parceira afim de procriação.
Mas, não quero saber de definições cientificas.
Só sei que romantismo e paixão demonstram que somos humanos.
E que estamos vivos.

SOU


Sou um passarinho que é avistado ao longe.
Sou a esperança que está em seu limite, contudo não acabou.
Sou a espera...
A Cinderela.
Sou a madrugada.
Sou o silêncio.
Sou a meditação.
Sou a emoção.
Sou o dia nublado.
Sou o querer você do meu lado.
Sou o amor apaixonado.
Sou o desespero e a quietude.
Sou a passividade e a atitude.
Sou o inicio...
E gosto de um final.
Andréia de Jesus Regis
12.01.2008

PASSARINHO


O passarinho que canta em minha janela,

Que esperança traz?

Como o invejo.

Nenhuma preocupação tu tens.

Nenhum esforço faz.

Vai passarinho.

Com seu canto alegre o mundo.

Mostre que não há barreiras nem limites.

CORAÇÃO


A vida é feita de mistérios.

Quem poderá prever o futuro?

Ou desvendar segredos?

Ou questionamentos do coração?

Mas, quero viver!

INDIVIDUALIDADE


Estou fora do jogo.

da loucura.

Do preconceito.

Quero encontrar no subjetivo mais respeito.

Quero pensar e expressar o que penso.Quero um mundo mais diverso.

Múltiplo em plural.

Pessoas individuais.

mas, com a diversidades e pluralidade intrinsecas em si

Não temos tempo para sermos intolerantes.

Há uma diversidade a se respeitar.

E uma individualidade a se defender.

JACTÂNCIA



É o costume

É a frieza que sempre nos tratam

É a falta de amor

É a ferida exposta

É a dor.

A injustiça desfila em cada esquina.

Em cada rodovia.

Respeito quase evaporou

mas, estou contente porque minha alegria

não depende de gente...

Depende de mim.

Dependo de Deus.

É Nele que espero.

Foi Ele quem tudo prometeu.
Mas, estou contente por estar viva.
Contente, porque sei que vou pisar em vidros
E eles irão rasgar os meus pés.
Mas, depois de algum tempo o sangue irá estancar.
Voltará tudo ao seu lugar.
Vou continuar a andar
E superar a dor

TEMPO


Se o mundo não fosse assim

Estaria idealizando.

Se o que penso, não fosse bem assim

Estaria me enganando.

Se o tempo fosse tão ruim

Estaria paralisada.

E, quanto a mim

Penso,

Aproveito o tempo

E existo

JESUS



O ser, natureza humana decaída.

Tem que ser resgatada pelo bem, Deus!

Marcados pelas feridas,

Entrelaçados por demônios.

Só o encontro com a cruz.

Só há vida,

Felicidade,

Expectativa em Jesus.

O que quebra algemas.

Derruba as fortalezas.

O que nos dar certeza do que somos constituídos

Para que nascemos, e para onde iremos.

mesmo que a ideia pareça ser alienante.

Tudo começa Nele.

Alfa

Tudo termina Nele

Ômega

Em seus planos o homem está no começo.

No final o homem em sua visão não é animal,

Mas, espiritual.

Vencedor,

Realizador,

Amado

E é com ele que nos encontraremos no final.